Notícias

Notícias e novidades em tecnologica e recrutamento

14 de janeiro de 2021 - Jornal de Negócios

Gigante francesa compra tecnológica do Porto com 600 trabalhadores

A multinacional gaulesa Alten adquiriu a empresa de software financeiro ITSector, que continuará a ser liderado por Renato Oliveira, fundador e até há pouco tempo o maior acionista individual da tecnológica com sede na Invicta. 

 

Após terem contratado mais de 130 pessoas no ano passado, contando atualmente a ITSector com cerca de 600 trabalhadores, na sua grande maioria engenheiros, os donos da tecnológica portuguesa decidiriam fechar o pandémico 2020 com a venda da empresa ao grupo francês Alten, que se apresenta como líder mundial em consultoria e engenharia tecnológica.

À escala mundial, esta transação traduz-se na compra de uma micro-empresa por um gigante do setor - a Alten, que está cotada na Euronext Paris, fechou 2019 com um volume de negócios de 2,6 mil milhões de euros e mais de 37 mil funcionários, dos quais 33 mil engenheiros, estando presente em 32 países.

Já a ITSector, que faturou 13 milhões de euros na primeira metade de 2020, mais 25% do que em igual período do ano anterior, com os negócios em duas dezenas de mercados a representar já cerca de metade do total das receitas, tem os seus cerca de 600 funcionários distribuídos por seis centros de competências "nearshore" (prestações de serviços tecnológicos a terceiros), instalados no Porto, Lisboa, Braga, Aveiro, Bragança e Castelo Branco.

A tecnológica sediada no Porto conta, ainda, com escritórios nas capitais da Polónia, Alemanha, Angola e Moçambique.

 

"A aquisição estratégica, que foi concretizada no final do mês passado, vem reforçar a presença do grupo Alten no domínio das Tecnologias de Informação, aumentando ainda as competências e a especialização no setor financeiro", enquanto para a ITSector esta operação "representa a expansão de negócios e o fomento do conhecimento nos mercados onde a Alten opera", considera a empresa com sede no Porto, em comunicado enviado às redações, est...

Consultar artigo completo em Jornal de Negócios