Notícias

Notícias e novidades em tecnologica e recrutamento

19 de abril de 2021 - Jornal de Negócios

77% dos teletrabalhadores portugueses já querem voltar ao escritório

Inquérito da Randstad mostra quebra na preferência pelo teletrabalho, face à primeira fase da pandemia. Saudade dos colegas, equilíbrio com vida familiar e solidão são os motivos invocados pelos profissionais em Portugal.

Saudade da interação com os colegas (61%), dificuldade em manter o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (39%) e estarem sozinhos e isolados (29%). Estas são as três principais razões para os portugueses considerarem difícil trabalhar a partir de casa, embora admitam que a produtividade não foi afetada por estarem a laborar à distância.

Segundo o mais recente inquérito realizado pela Randstad, entre fevereiro e março deste ano (quando o país estava em confinamento), ao contrário do que acontecia no ano passado, em que havia uma "clara preferência" pelo teletrabalho, na mais recente edição deste estudo, 77% dos profissionais que estão atualmente no regime remoto querem agora voltar ao local de trabalho.

Esta percentagem está em linha com a tendência registada pela multinacional de recursos humanos nos outros 33 países analisados no primeiro "Workmonitor" de 2021. As principais dificuldades apontadas no regresso ao escritório é terem de usar máscara durante todo o dia (65%) e sentirem-se "continuamente em risco de contaminação" (59%).

Por outro lado, seis em cada dez portugueses considera que vai ter mais oportunidades de emprego depois de ser vacinado contra a covid-19. Ainda assim, em reconhecimento pela forma como o empregador geriu a pandemia, metade admite ficar na empresa atual por mais tempo e um terço "trabalhar mais e ser mais produtivo" por causa da orientação e assistência prestadas ao longo do último ano.

E quais as medidas que as empresas portuguesas deviam implementar? Um subsídio extra para trabalho remoto; políticas sobre horas de trabalho para ajudar a manter um equilíbrio adequado entre vida pessoal e profissional; protocolos rígidos e claros pa...

Consultar artigo completo em Jornal de Negócios