Notícias

Notícias e novidades em tecnologica e recrutamento

16 de julho de 2021 - ECO

Farfetch escolhe arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels para projetar polo tecnológico em Matosinhos

O Fuse Valley será projetado pelo arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels. O projeto promete ser uma revolução no conceito de espaço de trabalho e um marco arquitetónico e paisagístico. 

A Farfetch, plataforma global para a moda de luxo, anunciou que o seu novo edifício de escritórios em Matosinhos, que estará concluído em 2025, será projetado pelo gabinete do arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels (BIG).

“Estamos muito entusiasmados com este projeto e com a visão que o Bjarke Ingels nos apresentou. Este projeto com o BIG vai ser uma revolução sobre aquilo que são os conceitos atuais de espaços de trabalho, marcado pelo cunho futurista, pela orientação para a sustentabilidade e para o bem-estar. Será um espaço não só para a Farfetch, mas sim para toda comunidade”, conta José Neves, fundador, CEO e chairman da Farfetch, citado em comunicado.

Bjarke Ingels, sócio fundador e diretor criativo do atelier, afirma que “tentaram unir todos os aspetos da organização da Farfetch – o negócio, a arte e a tecnologia – numa vila criativa sob um único telhado. Os pátios conectados e os jardins em cascata estendem o ambiente de trabalho ao ar livre, fazendo da Farfetch uma extensão integral da paisagem natural original e da cultura urbana local”.

Assente nos pilares de sustentabilidade, inovação e wellbeing, o projeto promete ser uma revolução no conceito de espaço de trabalho e um marco arquitetónico e paisagístico. O novo polo tecnológico, intitulado de “Fuse Valley”, foi desenhado de forma integrada numa área total de cerca de 140 mil metros quadrados abrangendo não só os edifícios da Farfetch, que representam cerca de 45% da área total, mas também toda a área de outros edifícios de escritórios, serviços e unidade hoteleira que serão promovidos pelo Castro Group.

Para a presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Luísa Salgueiro, o Fuse Valley re...

Consultar artigo completo em ECO